We Salute You!
 

Paulo Moreira Franco
Engenheiro do BNDES
 

O Banco fez 65 anos. Eu, um pouco mais novo, recebi uma medalhinha pelos 25 que cá completarei no final do ano. Mas aqui escrevo como se de fora estivesse. E, sabendo o que a maioria das pessoas não sabe, que quando pego um ônibus e vou ao shopping ou ao Mundial, e de lá saio carregando alguma coisa, eu e essa coisa devemos ao BNDES nosso encontro. Pois tanto meu ônibus quanto o caminhão que levou a coisa até o ponto de venda provavelmente foram comprados com FINAME. E, se forem novos, provavelmente com PSI.

Sim, o PSI era uma coisa feia. Feia porque temos (e aqui eu reponho o chapéu de benedense) um viés típico de qualquer burocracia que se presa de achar que aquilo que foi feito/concebido fora não presta. PSI, FGPC, apoio a estados: nada disso faz parte dos legos que confortavelmente montamos aqui, dos que pedimos a Papai Noel – e não trazidos por uma tia cafona e sem gosto. Thatcher (ciao querida!) estava certa quando dizia que não existe tal coisa como Sociedade – esse coletivo que todo idiota que quer nos encher o saco questionando o papel do Banco costuma utilizar –, mas FIESP & ABIMAQ & CUT & PMDB. Pessoas jurídicas como essas, que representam identidades concretas, elas de fato existem. Elas grasnam, choram, gritam, mordem. As identidades por trás delas são algo bem mais sólido que a "sociedade". Deveríamos ouvi-las com mais frequência ao invés de esperar a manifestação da "sociedade". Talvez aí percebêssemos que o PSI não era algo tão feio assim. E possamos finalmente amá-lo. Eterno enquanto dure, pois pra sempre, sempre acaba, já cantavam os poetas.

Por vezes as pessoas pensam que aqui estamos para realizar algum trabalho divinamente inspirado. Ledo engano: trabalhamos para um Governo. No caso, o provisório e predatório governo golpista de Temer e companhia. Mas desses 65 anos alguns dos mais lendários foram sob a ditadura militar. Portanto, mesmo nas trevas é possível se fazer algo legal.

Sicofantas haverá, sempre, infelizmente. A questão é, passada a tempestade, lembrarmos. Hoje, quando tudo está na eternidade digital, fica mais fácil. Tutte le genti che passeranno, o bella, ciao!

Pois então,
Stand up and be counted
For what you are about to receive
We are the dealers
We’ll give you everything you need
Hail hail to the good times
‘Cause rock has got the right of way
We ain’t no legend, ain’t no ‘cause
We’re just livin’ for today
For those about to rock, we salute you
For those about to rock, we salute you

FIRE!

 
 
Opinião
Salvando Maria Silvia, por Arthur Koblitz
Acontece
A hora e a vez de falar sobre o Banco
Acontece
MOVIMENTO
AFBNDES promoverá seminário sobre Bancos de Desenvolvimento
Acontece
MOVIMENTO
Lançada Frente Parlamentar em Defesa da Soberania Nacional
Acontece
Livro "Brasil 2035" será lançado hoje, às 16h, no Museu do Amanhã
Acontece

CONSELHO DELIBERATIVO
Prestando contas aos associados

Acontece
Campanha de filiação à AF contará com visitas aos andares

COLABORAÇÕES

Colaborações podem ser enviadas para a redação do VÍNCULO - Av. República do Chile 100, sobreloja/ mezanino, Centro, Rio de Janeiro, RJ, CEP 20139-900 - ou através do e-mail vinculo@afbndes.org.br.
Lembramos que as opiniões emitidas nos artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores.